28 de maio. Dia Internacional de Ação pela Saúde da Mulher
(28/05/2013)

O direito das mulheres a desfrutar de saúde integral durante todo o seu ciclo de vida, é um direito humano universal consagrado no sistema internacional de direitos humanos. A saúde holística, entretanto, não é uma mera biológica, mas sim responde fatores biopsicossociais, e depende do lugar que as mulheres ocupam na sociedade (determinantes sociais da saúde), a sua capacidade de acessar recursos materiais e simbólicos para viver uma vida decente com igualdade de oportunidades, livres de violência. Uma vida em que a sexualidade ea reprodução são exercidas de autonomia e liberdade.

Hoje isso não acontece para milhões de mulheres, especialmente para os mais pobres e os mais jovens, para as mulheres que amam mulheres, para as quais são imigrantes ou deslocadas, para aqueles que vivem em áreas rurais ou periferias urbanas para as mulheres de diferentes raças ou grupos étnicos, para pessoas com deficiência, entre outras condições. Para eles, o cruzamento de discriminação, violência e exclusão-los cada dia do gozo dos direitos humanos consagrados em particular, o direito à saúde integral e os direitos sexuais e reprodutivos.

Em 1987, a Rede de Mulheres da América Latina e Caribe, RSMLAC, Saúde fez a proposta de criação de um Dia de Ação Global em favor da saúde das mulheres e, em 1988, marcou o primeiro 28 de maio com o lançamento do Campanha para a Prevenção da Mortalidade e Morbidade Materna, coordenada pela Rede Global de Mulheres pelos Direitos Reprodutivos, WGNRR e rede de saúde. As mortes de gestação foram e continuam a ser um dos indicadores mais dramáticos da desigualdade na saúde, enquanto a esmagadora maioria afeta mulheres dos países mais pobres que se tornam mães, muitas vezes fatais.

Em 1996, a Rede Mundial de Mulheres pelos Direitos Reprodutivos iniciou um processo de avaliação da campanha para expandir seu foco temático à luz de novos problemas que afetam negativamente a saúde das mulheres. Organizações da América Latina e Caribe se reuniram em Cuenca, no Equador, e decidiu partir em seguida, empurre a Campanha região Exercício de Direitos Sexuais e Reprodutivos, sob a coordenação do RSMLAC.

De lá para cá, tem coordenado RSMLAC cada 28 de maio chamadas para a ação, priorizando questões como a qualidade do atendimento, serviços de saúde sexual e reprodutiva para adolescentes, a saúde pública, o grave impacto do aborto inseguro, a agenda da Conferência do Cairo e direitos sexuais e reprodutivos e até mesmo levantou a questão da mortalidade materna como uma exigência de justiça social, considerando que tem havido progressos significativos na erradicação.

Centenas de grupos afiliados têm respondido a essas chamadas, desenvolvendo variados e criativos a partir de ações de formação para instalações de arte, a partir de diálogo com os profissionais de saúde para comícios públicos desenhados para afetar tanto a sociedade em geral e tomadores de decisão para sensibilizar e incentivá-los a reconhecer e proteger a saúde das mulheres como um direito. Além disso, nestes processos de organizações de mulheres têm vindo a reforçar a sua liderança e capacidade de defesa contra o governo.

Hoje Rede da América Latina e Caribe Saúde da Mulher propõe uma nova maneira de comemorar este histórico e emblemático, a partir de 2011 Campaign (Permanente) para a Saúde Integral e Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos de Mulheres e Meninas que, como o nome indica, vai enfatizar a saúde das mulheres, tendo em conta a definição holística e abrangente da Organização Mundial da Saúde, que afirma: "O direito à saúde implica o melhor prazer do welfare state físico, mental e social, bem-estar e não apenas a ausência de doença ou enfermidade. "E também continuar a conduzir, neste quadro, o pleno exercício dos direitos sexuais e dos direitos reprodutivos como direitos humanos, embora o progresso na conceituação do espaço do corpo como um território de autonomia e liberdade de escolha.

O que nós reivindicamos

O tempo agora é crítica da validade desses direitos. A globalização da economia, com viés neoliberal capitalista se deteriorou profundamente os sistemas nacionais e as instituições eo papel dos Estados, que gradualmente abandonar o seu papel social e não mais garantir os direitos humanos consagrados. Assim, os sistemas públicos de saúde são dobrados com a instalação destes modelos, reforçando os esforços de privatização que fizeram de saúde uma mercadoria disponível apenas para aqueles com recursos suficientes. O direito à educação, trabalho decente, proteção social e da cultura, bem como a ética ea solidariedade como uma forma de vida em comunidade, também são afetados pelo avanço do mercado e valores distorcidos. Junto com isso, ele se expande e aprofunda a crise social, enquanto a violência ea exclusão novos e antigos são reforçadas para ignorar os direitos humanos de vastos setores da população, com impacto desproporcional sobre as mulheres e meninas. Além disso, o fundamentalismo perfeito cada vez mais práticas, com a intervenção da hierarquia eclesiástica nas políticas dos Estados um dos exemplos mais hediondos.

O que as mulheres exigem neste contexto adverso para o nosso direito à atenção integral à saúde seja plenamente respeitado, e para os direitos sexuais e reprodutivos pode ser exercido com liberdade e dignidade?

- · O acesso universal em todas as fases da vida, serviços de informação e cuidados de saúde gratuitos ou de baixo custo e de alta qualidade, para desfrutar de saúde holística e bem-estar,
- • o direito de nossa diversidade é reconhecida e respeitada na concepção e implementação destes serviços,
- • o direito de exercer a saúde sexual e reprodutiva, livre de violência e coerção,
- • o direito de conhecer e respeitar o nosso corpo,
- · o direito de exercer a sexualidade de forma segura e sem consequências indesejadas ou indesejável,
- • o direito de se relacionar sexualmente com quem quiser sem ser pressionado ou abusado, quando escolhemos,
- • o direito de buscar e sentir prazer sem culpa,
- • o direito não ter relações sexuais,
- · o direito de decidir quantos filhos querem ter, quando tê-los ou não tê-los,
- · o direito de ser bem informado para regular os nossos métodos de fertilidade são eficazes, seguros e acessíveis ou que o uso de nossos parceiros,
- • o direito de receber cuidados de saúde de elevada qualidade na gravidez, parto e todos os outros momentos de nossas vidas sexuais e reprodutivos,
- · o direito de compartilhar as responsabilidades do sexualidade e reprodução com o casal,
- · o direito de nos proteger de infecções sexualmente transmissíveis, incluindo o HIV / AIDS, especialmente quando se trata de mulheres jovens e meninas,
- • o direito de participação igualitária das mulheres no tomada de decisão na área de saúde, para nossas demandas reais e urgentes têm prioridade.

Campanha transversal e permanente

A Campanha 28 de maio de 2011 é um convite para a participação nesta data RSMLAC emblemático desenvolver ações relacionadas às suas próprias realidades locais, para a defesa da saúde integral e os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres e meninas, desafiados e os Estados para assegurar as condições necessárias para tais direitos sejam exercidos em sua totalidade.

Como nas campanhas anteriores, pequenas bolsas serão atribuídas aos projectos que filiais estabelecidas apresentados em tempo, com propostas de atividades de informação pública, formação, comunicação e sensibilização. Este ano, por causa das restrições significativas sobre a cooperação internacional, infelizmente, temos um fundo muito limitado para este financiamento, por isso apelamos para a compreensão eo empenho de nossos membros.

Além disso, RSMLAC através de todos os programas estratégicos permanentemente difusão de informações relevantes sobre a saúde de mulheres e meninas, e os seus direitos sexuais e reprodutivos, para fazer desta campanha uma ferramenta para a ação e para a promoção o exercício dos direitos.

Ligação também a campanha com marcos do movimento de outras mulheres incluem:

* 8 de março. Dia Internacional da Mulher
* 25 de junho. Dia Mundial da Diversidade Sexual
* 25 de julho. Dia Internacional da Mulher Afro-americana e Afro-caribenha
* 5 de setembro. Dia Internacional das Mulheres Indígenas
* 28 de setembro. Campanha para a descriminalização do aborto
* 25 de novembro. Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher
* 01 de dezembro. Dia Mundial da SIDA
* 10 de dezembro. Dia Internacional dos Direitos Humanos
* 2011. Ano Internacional dos Povos de Descendência Africano

No entanto, é importante ressaltar que esta campanha é concebida como um processo não só ligada a datas históricas, mas como uma ação de desenvolvimento permanente, sustentada e cruz. Nós, portanto, relevante para a nossa sociedade, e todos os grupos de mulheres, em geral, para manter essa ênfase temática ao longo do ano em suas atividades institucionais. Somente desta forma, o desenvolvimento de uma acção sustentada e consistente na defesa dos nossos direitos à saúde, vamos quebrar as barreiras que impedem a sua plena realização.

Em nosso blog são para as Fichas de Acção sobre temas que se referem ao direito à saúde global e assuntos relacionados. Mais informações com: secretaria@reddesalud.org

RSMLAC
Rede da América Latina e Caribe Saúde da Mulher


Versão para impressão
    Sobre o autor
Adital

Outros artigos

  » O que é uma Economia Solidária?
  » Comunhão com o povo de Brumadinho
  » NOTA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS CATEQUISTAS FRANCISCANAS
  » Confie Sempre
  » Sementes de ontem, frutos de hoje, Sementes de hoje, frutos de amanhã!
  » Só de Sacanagem
  » Eleições 2018:Compromisso e Esperança
  » Economia Solidária como alternativa e crítica ao capitalismo
  » Os Jogos Olímpicos entre patriarcado e elitismo
  » Conhecendo o Cerrado
  » 2ª Romaria do Cerrado
  » Campanha de Coleta de Assinaturas #Contra o Golpe #Fica Dilma #Avança Senaes
  » TRAJETORIA DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E BANCO PIRE EM DOURADOS - MS
  » A dolorosa resistência dos Guarani Kaiowá
  » Violência contra guaranis no Brasil pode ser considerada uma crise humanitária
  » Sobre a Água
  » A crise é hídrica, não energética
  » Sobre a água: Sem drama. Sem sentido. Sem vida!
  » Plebiscito popular por reforma política é nesta semana
  » Reforma política: somar, não dividir!

1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - Próxima
Banco Pire 2020 - Rua Ramão Osório, N° 10 - Vila São Braz - Dourados - MS - CEP: 79843-250
Fone: (67) 3020-2504 / (67) 99657-2504 - E-mail: ammbancopire01@gmail.com