Economia Solidária - embrião de uma nova sociedade
(15/06/2010)


ECONOMIA
O termo ECONOMIA vem do grego - OIKOS CASA e NOMOS NORMAS ou LEI. Economia é a arte de cuidar da casa; normas, jeito, maneira de gerir e administrar a casa.
Economia e ecologia são duas ciências inseparáveis. Enquanto a economia prevê as normas para cuidar e administrar a casa, a ecologia estuda as relações que acontecem entre os elementos da casa comum, o planeta terra.
A economia não é uma ciência distante de nós. Ela é o conjunto das relações cotidianas nas esferas políticas, sociais, culturais, religiosas e ambientais, estabelecidas numa sociedade. Essas relações podem levar ao cuidado da casa comum, ou à sua destruição. Tudo depende dos princípios adotados: se são de ética e sustentabilidade, ou de "desenvolvimento", baseado no lucro e concentração de riquezas.

ECONOMIA CAPITALISTA
Na sociedade capitalista, as atividades econômicas são orientadas para gerar riquezas com base na propriedade privada dos bens, dos recursos e dos meios de produção. Esse sistema funciona acumulando e concentrando bens nas mãos de quem já os tem e gera grande desigualdade entre pessoas, territórios, regiões e países
Nesse modelo de sociedade, quem não detém os recursos possui apenas a força de trabalho, que é vendida para quem já tem bens e riquezas acumuladas, em troca de um salário incapaz de satisfazer as necessidades básicas de alimentação, moradia, saúde, educação, etc. Mais agravante se torna porque nem sempre é possível exercer a "liberdade" de vender a força de trabalho. O desemprego significa então, a condenação à miséria total de milhões de pessoas.
O foco central desse sistema é o lucro e a produção de bens para serem vendidos. Já na década de 1950, um consultor americano de vendas dizia: "A nossa economia enormemente produtiva, requer que façamos do CONSUMO o nosso modo de vida, que busquemos a nossa satisfação espiritual ou do nosso ego, no CONSUMO. Nós precisamos de coisas consumidas, destruídas, gastas, substituídas e descartadas, numa taxa continuamente crescente".
Consumir tornou-se não um ato para satisfazer as necessidades e sim uma forma de oxigenar o sistema capitalista. E o consumismo "uma forma de vida". Assim, quem não detém recursos para consumir, se encontra excluído do sistema.
Nessa lógica, muitas empresas e até mesmo governos, em nome da "responsabilidade social" incentivam e apóiam financeiramente projetos sociais focados em crianças, jovens, idosos, geração de renda, etc. Não buscam efetivar uma política de distribuição de renda. Pelo contrário, garantem mais ainda a concentração da riqueza, fazendo com que pessoas excluídas do direito de consumir, sobrevivam com migalhas e se conformem com a situação que lhe é imposta.
Quem dita as regras e a direção a ser seguida, é o MERCADO. Ao invés da política determinar o tipo de mercado, é o mercado que determina o tipo de política a ser implantada. Assim os governos, também os de esquerda, são obrigados a adotar, por exemplo, o agronegócio e a construção de grandes hidrelétricas, como modelo de desenvolvimento, mesmo sabendo que é altamente destruidor da vida no planeta. Prova disso foi a Conferência de Copenhague onde não houve acordo para preservação ambiental, pois isso implicaria em mudar as regras do mercado e, cuidado e preservação dos recursos naturais, não combinam com lucro.

ECONOMIA SOLIDÁRIA
Se economia é a arte de cuidar da casa, economia solidária é a arte de cuidar da casa de todos/as, de forma solidária, numa complementariedade e reciprocidade entre natureza, trabalhadores/as e consumidores/as.
Economia solidária não é geração de renda, micro-empresas de fundo de quintal, trabalho manual ou artesanato; não é troca, não é reciclagem... Pode vir a ser.
Essas ações, por si só e sem articulação, levam a inclusão produtiva de pessoas excluídas do sistema (desempregados/as, mulheres e homens de baixa escolaridade, jovens, etc). Contudo, a economia capitalista, extremamente concorrente e concentradora das riquezas, não dá espaço e em pouco tempo, as exclui novamente. É um circulo vicioso.
Economia solidária é uma proposta de SOCIEDADE sustentável, que coloca a VIDA no centro. Não se resume a um produto, ou a um objeto. Ela se constitui num sistema que vai muito alem dos próprios empreendimentos; envolve pessoas comprometidas com um mundo solidário, ético e sustentável. "É formada por uma constelação de formas democráticas e coletivas de produzir, distribuir, poupar e investir" (Paul Singer).
As práticas de economia solidária envolvem mudança cultural, exigem que as pessoas que foram formadas no capitalismo sejam re-educadas. E, o verdadeiro aprendizado dá-se com a prática. "Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender" (Paulo Freire).
A economia solidária não é apenas um projeto de uma nova economia, mas de uma nova sociedade. Não é um movimento de cima para baixo. Trata-se de um novo conceito de revolução, onde predomina a descentralização e a participação na construção de valores e culturas. "A grande diferença em relação às revoluções anteriores, está em que, na Economia Solidária, não é preciso esperar pela tomada do poder político para que os avanços aconteçam - ela mesma é parte da tomada do poder político, ela mesma é parte da revolução, ela mesma é parte da transição e da construção do socialismo" (Orlando Nuñes).
A economia solidária não é uma alternativa de sobrevivência no sistema capitalista; é uma proposta de vida para a humanidade e para o planeta, o embrião de uma nova sociedade, que encontra espaço e se fortalece na articulação em rede.
Ela propõe a superação da lógica mercadocêntrica que preside esse modo de existir humano. Não se trata de extinguir a riqueza que circula. Trata-se de fazer circular a riqueza com uma outra lógica: da lógica da concentração para a lógica da desconcentração; da lógica da concorrência que comanda o mercado livre, para a lógica da cooperação que comanda o mercado solidário.
O mercado foi inventado pelas pessoas e tudo o que foi inventado por pessoas, por elas pode ser reinventado. Ele foi constituído socialmente e pode ser socialmente desconstruído, sob um outro olhar, sob uma outra lógica, a lógica solidária.
Como pode ser feito isso?
 Por meio de uma nova forma de consumir. O ato de consumir não é apenas econômico, é também ético e político. Ao selecionar e consumir produtos das redes solidárias e cooperativas, você estará contribuindo para o fortalecimento dessa nova proposta de sociedade. Será consumidora solidária quando o que consome satisfaz as necessidades, promove o bem estar dos/as trabalhadores/as que elaboraram aquele produto ou serviço e mantém o equilíbrio dos ecossistemas.
 Apoiar a organização e articulação de empreendimentos de economia solidária. Promover a organização de grupos de geração de renda que além de produzir de forma coletiva-cooperada e que respeita o meio ambiente, se articulam em rede com outros grupos e refletem uma proposta de sociedade sustentável.
 Articular produtores, prestadores de serviços e consumidores da sua comunidade. Fazer circular a riqueza que existe em seu próprio bairro, município ou região, sem buscar produtos de grandes empresas cujo transporte faz crescer a poluição no planeta.
 Formar grupo de estudo e aprofundamento sobre economia e consumo solidário aproveitando da cartilha "Outro consumo é possível" e outros materiais disponíveis. É só solicitar.
 Reduzir o consumo, reutilizar, reciclar...
Caminhando lado a lado, nessa estrada, vamos lá.
Construir um novo mundo e o planeta transformar.
Com humanidade, solidariedade, nós vamos vencer!
Com muita coragem, esta nossa luta pode nos dizer...
O quê?
Aqui, um outro mundo é possível, se a gente quiser!
(Parte da Música do FSM)


Referências bibliográficas:

SINGER, Paul.
Uma utopia militante: Repensando o socialismo - Petrópolis-RJ, Ed Vozes, 1998.

GADOTTI, Moacir.
Economia Solidária como práxis pedagógica - São Paulo-SP, Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.

LE MONDE, Diplomatique.
Desafios da Economia Solidária - Gadotti, Moacir (org.) São Paulo-SP, Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2008.

BLAUTH, Gulilherme e ABUHAB Patrícia.
De olho na vida: reflexões para um consumo ético - Florianópolis-SC: Intituto Harmonia da Terra, 2006.

BAUMAN, Zygmunt.
Vida para o consumo: a transformação de pessoas em mercadorias. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro-RJ, Jorge Zahar Ed, 2008.

POLANYI, Karl.
A grande transformação: as origens de nossa época. Rio de Janeiro-RJ, Ed. Campus, 2000.



Versão para impressão
    Sobre o autor
Lenita Gripa

Irmã Catequista Franciscana
Outros artigos

  » O que é uma Economia Solidária?
  » Comunhão com o povo de Brumadinho
  » NOTA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS CATEQUISTAS FRANCISCANAS
  » Confie Sempre
  » Sementes de ontem, frutos de hoje, Sementes de hoje, frutos de amanhã!
  » Só de Sacanagem
  » Eleições 2018:Compromisso e Esperança
  » Economia Solidária como alternativa e crítica ao capitalismo
  » Os Jogos Olímpicos entre patriarcado e elitismo
  » Conhecendo o Cerrado
  » 2ª Romaria do Cerrado
  » Campanha de Coleta de Assinaturas #Contra o Golpe #Fica Dilma #Avança Senaes
  » TRAJETORIA DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E BANCO PIRE EM DOURADOS - MS
  » A dolorosa resistência dos Guarani Kaiowá
  » Violência contra guaranis no Brasil pode ser considerada uma crise humanitária
  » Sobre a Água
  » A crise é hídrica, não energética
  » Sobre a água: Sem drama. Sem sentido. Sem vida!
  » Plebiscito popular por reforma política é nesta semana
  » Reforma política: somar, não dividir!

1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - Próxima
Banco Pire 2020 - Rua Ramão Osório, N° 10 - Vila São Braz - Dourados - MS - CEP: 79843-250
Fone: (67) 3020-2504 / (67) 99657-2504 - E-mail: ammbancopire01@gmail.com