A Ordem é Despejo e Progresso
(08/02/2012)

"Em primeiro lugar, queremos contar a todos os juízes e sociedades que estamos coletivamente em estado de medo, desespero e dor profundo, já sobrevivemos em situação mísera e perversa há várias décadas... Hoje, dia 26/01/2012, nós compreendemos claramente que nós não temos mais chances de sobreviver cultural e nem fisicamente neste país Brasil, visto que em qualquer momento seremos despejados de nossa área antiga reocupada por nós, portanto estamos com muita tristeza e perplexa, ao receber esta notícia da oficial da Justiça e da Polícia Federal e FUNAI. Já estávamos com a alegria praticando o nosso ritual sagrado dia-a-dia aqui em minúscula terra antiga reocupada Ñanderu Laranjeira em que retornamos nos últimos dois anos". (Carta da Comunidade Laranjeira Nhanderu aos Juízes do Brasil)

O portão fechado aos índios e seus aliados, abre-se como por encanto aos homens da lei e da ordem. O oficial de justiça, escoltado pela Polícia Federal e Funai, é portador de mais um decreto de medo e de condenação. A nova ordem de reintegração de posse é mais uma punhalada na pequena comunidade Kaiowá-Guarani do Mato Grosso do Sul.

Quem acompanhou a saga de violência sofrida por essa comunidade nativa dessa região em sua dura e sofrida luta pela sobrevivência, certamente terá que se perguntar que país é esse que (mal)trata seus primeiros habitantes com tamanha covardia e crueldade. É a lei do mais forte se impondo, em nome do rei e da lei, da ordem e do progresso.

Quando no ano passado o agronegócio e sua lógica de produção a qualquer custo, com muito agrotóxico e agressão à mãe terra, deflagraram a campanha "Produção Sim, Demarcação Não", estavam apenas explicitando a lógica perversa da negação das terras indígenas. E não tem sido outra a atitude do governo federal quando tem destinado bilhões para acelerar o agronegócio e a agroindústria, especialmente na produção da soja e do etanol. Isso através da bem aventurado programa do PAC - Programa de Aceleração do Crescimento.

Enquanto isso a propalada e dezenas de vezes adiada regularização das terras indígenas andavam a passos de tartaruga, sob constantes atropelos judiciais e o Senado procura mudar a Constituição, chamando para si a responsabilidade de decidir sobre a definição e demarcação das terras indígenas.





Memória do massacre, sofrimento e esperança

A comunidade Kaiowá-Guarani de Laranjeira Nhanderu, desde dia 11 de setembro de 2009, vem vivendo uma longa "via crucis". Despejada para a beira da estrada, BR 163, ali conviveram com toda espécie de sofrimento, passando por momentos com seus barracos inundados, sob a implacável agonia do sol, do frio e da chuva. Tiveram pelo menos três de seus membros mortos por atropelamento. Seus idosos e crianças convivendo com o medo diário do ronco dos carros.

Passaram heroicamente por todo esse massacre diário, sem jamais perder a esperança de um dia terem seus direitos respeitados e sua terra garantida. Essa situação chegou ao conhecimento nacional e internacional através das inúmeras visitas de delegações de solidariedade, desde os trabalhadores rurais sem terra até a presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. De representantes da Presidência da República a representantes de instituições internacionais de Direitos Humanos e defesa das populações indígenas.

Foi um ano e meio de travessia do deserto do sofrimento, que fez dessa comunidade um lugar especial de celebração da esperança, de afirmação da cultura, de luta com dignidade pela vida presente e futura.

Diante da morosidade de solução da questão da terra e fartos de promessas não cumpridos, retornaram à sua terra em maio do ano passado, com a certeza de que Nhanderu e os espíritos de seus guerreiros ancestrais lhes garantiria sua terra tradicional. É o que vemos no veemente depoimento Dona Adelaide. http://www.youtube.com/watch?vjnO_gdu19VU
"Queremos sobreviver culturalmente e fisicamente aqui, queremos proteção e apoios vitais das Justiças do Brasil para garantir a nossa nova geração Guarani-Kaiowá neste país sem vítimas de violências perversas" (idem carta).

Povo Guarani Grande Povo


Versão para impressão
    Sobre o autor
Egon Dionísio Heck

Assessor do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) Mato Grosso do Sul
Outros artigos

  » O que é uma Economia Solidária?
  » Comunhão com o povo de Brumadinho
  » NOTA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS CATEQUISTAS FRANCISCANAS
  » Confie Sempre
  » Sementes de ontem, frutos de hoje, Sementes de hoje, frutos de amanhã!
  » Só de Sacanagem
  » Eleições 2018:Compromisso e Esperança
  » Economia Solidária como alternativa e crítica ao capitalismo
  » Os Jogos Olímpicos entre patriarcado e elitismo
  » Conhecendo o Cerrado
  » 2ª Romaria do Cerrado
  » Campanha de Coleta de Assinaturas #Contra o Golpe #Fica Dilma #Avança Senaes
  » TRAJETORIA DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E BANCO PIRE EM DOURADOS - MS
  » A dolorosa resistência dos Guarani Kaiowá
  » Violência contra guaranis no Brasil pode ser considerada uma crise humanitária
  » Sobre a Água
  » A crise é hídrica, não energética
  » Sobre a água: Sem drama. Sem sentido. Sem vida!
  » Plebiscito popular por reforma política é nesta semana
  » Reforma política: somar, não dividir!

1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - Próxima
Banco Pire 2020 - Rua Ramão Osório, N° 10 - Vila São Braz - Dourados - MS - CEP: 79843-250
Fone: (67) 3020-2504 / (67) 99657-2504 - E-mail: ammbancopire01@gmail.com