Líderes contra o desmatamento assassinados no Pará
(01 de junho)

A área do Projeto Agroextrativista (PAE) Praia Alta Piranheira foi um maciço castanhal que só os moradores mais antigos conheceram. O castanhal foi explorado durante muito tempo por uma família de Marabá, que se dizia “dona”, e por centenas de famílias que coletavam livremente os produtos generosamente cedidos pela natureza. Além da castanha, eram e ainda são facilmente encontrados na floresta do PAE produtos como açaí, andiroba, cupuaçu, diferentes tipos de cipós, ervas medicinais e muitas espécies madeireiras de alto valor econômico.

A preocupação de Zé Claudio e D. Maria com a preservação da cobertura vegetal extrapolava o seu próprio lote e se estendia a todo o PAE. Foi exatamente essa preocupação que os levou a denunciar a exploração ilegal de madeira dentro do PAE. Órgãos como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA), Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e Policia Federal receberam inúmeras denúncias formuladas pelo casal. Sem nenhuma resposta efetiva por parte desses órgãos, assumiram a responsabilidade como cidadãos e assentados e passaram a tomar iniciativas de ação direta, interditando estradas, parando caminhões carregados com toras de madeira, anotando as placas, sem medir esforços em defesa das árvores.
Em qualquer lugar, e no Brasil que se diz uma Democracia, não é admissível que pessoas possam ser assassinadas pela divergência ao poder corrente e pelo exercício de seus direitos. Não é possível haver “dois Estados” e “duas leis” em um só país, afinal, uma lei que vale apenas para alguns, não é lei.

Os assassinatos de José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva não são ocorrências individuais, são um problema nosso, de toda a sociedade brasileira. Precisamos reagir.
Reagimos porque não é possível admitir a violência como instrumento de regulação social.

Nota de repúdio


    Outras notícias
  » 3ª feira do Cerrado
  » Manifestação da CNBB
  » Primeiro encontro da Rede de Economia Solidária
  » Incubadoras da UEMS e UFGD oferecem curso de Economia Solidária
  » VI Conferência Internacional de Pesquisas e Estudos sobre Economia Social e Solidária
  » Encontro de Planejamento e Novas Perspectivas para a Rede Brasileira de Bancos Comunitários O Banco Comunitário Digital e a Plataforma E-dinheiro
  » Rede Brasileira de Bancos Comunitários compra plataforma E-dinheiro
  » Inauguração da Central de Comercialização da Rede de Economia Solidária
  » Central de Comercialização da Rede de Economia Solidária da Cidade de Dourados
  » Audiência pública reúne mais de 300 representantes da economia solidária
  » Audiência Pública pelo avanço da Política Nacional de Economia Solidária
  » III Seminário Nacional dos Fundos Solidários
  » Texto Referencial - Preparação para o 3º Seminário Nacional de Fundos Solidários
  » Moeda Social Pira pire já encontra cadastrado na Moeda Eletrônica
  » Romaria do cerrado
  » Banco da Cascata e Banco Justa Troca em Porto Alegre
  » Campanha de Coleta de Assinaturas #Contra o Golpe #Fica Dilma #Avança Senaes
  » Reunião com Tecnica da Cáritas Brasileira
  » Curriculo
  » ONG Mulheres em Movimento tem Nova Coordenação

1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - 8 - 9 - 10 - 11 - 12 - 13 - Próxima
Banco Pire 2020 - Rua Ramão Osório, N° 10 - Vila São Braz - Dourados - MS - CEP: 79843-250
Fone: (67) 3020-2504 / (67) 99657-2504 - E-mail: ammbancopire01@gmail.com