Clube de Trocas aumenta autoestima de mulheres no Paraná
(30 de junho de 2011)

Transformação social. Isso é o que Lourdes Marchi, uma das organizadoras da Rede de Trocas Solidárias de Curitiba e região metropolitana, no Paraná, acredita que acontece com as participantes dos Clubes de Trocas. "Estamos resgatando a autoestima. No começo a ideia era tirar as pessoas da situação de miséria, de pobreza. Hoje elas são outras pessoas, mais felizes e alegres".
O relato de Lourdes refere-se à experiência dos Clubes de Trocas em Curitiba e região metropolitana. Fundado no Paraná em 2001 por uma equipe de 11 pessoas, hoje, a área da capital paranaense já possui oito grupos com mais de sete pessoas em cada.
De acordo com a organizadora da Rede, 90% das participantes são mulheres que moram nas periferias das cidades e têm mais de 30 anos. O grupo recebe formações, oficinas e fazem reflexões e apresentações sobre os produtos e as ações baseadas na economia solidária.
"A gente orienta que a ideia é não acumular a moeda social, pois só vão acumular papel, porque não podem comprar nada no mercado", explica. Assim, o Pinhão, como a moeda social na região é denominada, só é utilizado nos Clubes de Trocas. "Toda riqueza deve ser consumida no clube. A pessoa leva a produção para o grupo e volta com a sacola cheia de outros produtos", comenta.
As participantes trocam desde verduras e legumes produzidos nas hortas dos quintais das casas até artesanatos e roupas usadas que estejam em bom estado. As decisões são tomadas em conjunto.
Há momentos em que até mesmo o valor do produto é discutido entre as participantes. "O grupo ajuda a estabelecer o valor. Algumas criticam quando está alto ou baixo. Assim, elas aprendem coletivamente a dar o valor justo, sem explorar o trabalho". Lourdes lembra que muitas mulheres chegaram ao grupo com autoestima baixa e hoje estão no mercado de trabalho, são lideranças na comunidade e até mesmo coordenadoras de grupos. Os Clubes de Trocas no Brasil são inspirados no modelo da Argentina surgido na década de 1990.
Karol Assunção


    Outras notícias
  » 3ª feira do Cerrado
  » Manifestação da CNBB
  » Primeiro encontro da Rede de Economia Solidária
  » Incubadoras da UEMS e UFGD oferecem curso de Economia Solidária
  » VI Conferência Internacional de Pesquisas e Estudos sobre Economia Social e Solidária
  » Encontro de Planejamento e Novas Perspectivas para a Rede Brasileira de Bancos Comunitários O Banco Comunitário Digital e a Plataforma E-dinheiro
  » Rede Brasileira de Bancos Comunitários compra plataforma E-dinheiro
  » Inauguração da Central de Comercialização da Rede de Economia Solidária
  » Central de Comercialização da Rede de Economia Solidária da Cidade de Dourados
  » Audiência pública reúne mais de 300 representantes da economia solidária
  » Audiência Pública pelo avanço da Política Nacional de Economia Solidária
  » III Seminário Nacional dos Fundos Solidários
  » Texto Referencial - Preparação para o 3º Seminário Nacional de Fundos Solidários
  » Moeda Social Pira pire já encontra cadastrado na Moeda Eletrônica
  » Romaria do cerrado
  » Banco da Cascata e Banco Justa Troca em Porto Alegre
  » Campanha de Coleta de Assinaturas #Contra o Golpe #Fica Dilma #Avança Senaes
  » Reunião com Tecnica da Cáritas Brasileira
  » Curriculo
  » ONG Mulheres em Movimento tem Nova Coordenação

1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - 8 - 9 - 10 - 11 - 12 - 13 - Próxima
Banco Pire 2020 - Rua Ramão Osório, N° 10 - Vila São Braz - Dourados - MS - CEP: 79843-250
Fone: (67) 3020-2504 / (67) 99657-2504 - E-mail: ammbancopire01@gmail.com